Olá, Serra Gaúcha! A serra gaúcha sem limites.

PUBLICIDADE
Estreia | 22/12/2016 - 08:27

Minha Mãe é uma Peça 2 chega aos cinemas

Diz a máxima popular que não se mexe em time que está ganhando. Pois depois de levar cerca de 4,6 milhões de espectadores aos cinemas em 2013 (o maior sucesso nacional daquele ano), Dona Hermínia (e Paulo Gustavo) está de volta. Em Minha Mãe é uma Peça 2, a personagem segue superprotetora, desaforada e invariavelmente engraçada, como de costume. Mas correndo o risco de se repetir.

 

Assim como no filme anterior, a sequência direta aposta no inegável talento de Paulo Gustavo (que, novamente, é coautor do roteiro, ao lado de Fil Braz) em representar tipos populares – ainda mais um inspirado na própria mãe. Em cena, é de espantar a naturalidade com que o ator/ roteirista veste o papel, fundamental para estabelecer a bem-sucedida conexão (identificação) com o grande público.

 

Assim como no filme anterior, o novo longa gira em torno das angústias da maternidade, por assim dizer. Hermínia é agora apresentadora de TV, rica, avó. Mesmo tendo que comandar um programa, cuidar do neto, receber a irmã de Nova York (Patricya Travassos), ela só se preocupa, mesmo, com o que Juliano (Rodrigo Pandolfo) e Marcelina (Mariana Xavier) estão (ou não) fazendo. Assim como no filme anterior, as cenas se fecham, em si, com o propósito de gerar ótimas gags a respeito da preocupação de mãe (um bom exemplo é quando ela não se conforma quando descobre que o filho “não é mais gay”); mas deixa pontas soltas, confiando no desempenho do protagonista acima de tudo (exemplo? Hermínia passa a usar um apetrecho que controla seu humor, mas o equipamento é “esquecido” ao longo da trama, soterrado pelas – mais uma vez, ótimas – piadas do intérprete). A tal síndrome do ninho vazio, uma vez que os “pequenos” estão de mudança para São Paulo, é o que de mais perene o texto traz.

 

Mas o resultado geral é episódico, quase como se a obra fosse composta de esquetes encadeadas. A falta de um arco abrangente mais consistente (com início, meio e fim) gera uma sensação de desperdício no que se refere à entrada de novas personagens, notadamente a irmã “locona” vivida por Travassos, que acaba ficando sem função no enredo. E há uma certa “forçação” para fazer caber o aspecto dramático dentro da produção, recurso que é ressuscitado com a despedida de um personagem, assim como... no filme anterior. Com uma roupagem (literalmente?) mais arrumada (três anos após Minha Mãe É uma Peça – O Filme, é nítido o salto de qualidade técnica aqui; fora que Hermínia está rica agora, né?), o longa novo acerta ao se apoiar no carisma e espontaneidade de Paulo Gustavo.

 

Mas a franquia corre o risco de cair no limbo da repetição se não investir em uma trama mais robusta. Franquia?! É claro que um terceiro produto vai depender do resultado da bilheteria desse. Mas Minha Mãe É uma Peça 2 tem tudo para atrair um bom público para os cinemas. Assim como no filme anterior.

 

Fonte: Adorocinema

 

Palavras chave: minha - mãe - é - peça - 2 - paulo gustavo - cinema - filmes

  • Comentários
    Comentários

    Comentários postados

    Nenhum comentário postado ainda, seja o primeiro a comentar!

  • Comentar

    Comentar

    Comente esta matéria







  • Envie para um amigo

    Envie para um amigo

    Envie esta notícia para um amigo









  • Fale com o Editor

    Fale com o editor

    Envie dúvidas e sugestões para o editor








Notícias relacionadas:


A Morte Te Dá Parabéns! mistura de Pânico e Feitiço do Tempo

Blade Runner 2049 com Ryan Gosling e Harrison Ford é a estreia principal dessa semana

Tyrese Gibson culpa The Rock por adiamento de filme

Estreia o polêmico Mãe! com Jennifer Lawrence

Kingsman: O Círculo Dourado lidera bilheterias nos EUA


PUBLICIDADE

Newsletter

Cadastre o seu endereço de e-mail e receba a nossa newsleter com as notícias do Olá! no seu e-mail.