28/04/2016 - 22h04min

O clã dos Jajás

                 A história de jogadores com o mesmo nome é um tema banal e fascinante, motivo de controvérsias infinitas entre os fãs do antigo esporte bretão. Houve vários Mirandinhas, por exemplo. Em seu programa de televisão, o jornalista Milton Neves teve a feliz ideia de estabelecer a diferença entre eles. Lembro bem da cena, como se ela fosse uma parte indissolúvel de velhos domingos. Enquanto mostrava gols em preto e branco, feitos por um atacante alto e magro, o jornalista narrava a ação, apresentando o craque como “o primeiro dos Mirandinhas”. Era como se Milton estivesse conferindo um título honorífico ao rapaz, que na certidão de nascimento era apenas Sebastião Miranda da Silva Filho. Em seus dias de esplendor, Mirandinha fez fama no São Paulo, inclusive sendo convocado para a seleção brasileira que disputou a Copa de 1974.

                Mais tarde, foi a vez do cearense Francisco Ernandi Lima da Silva vestir, como se fosse um par de botas, o apelido. O segundo dos Mirandinhas jogou em uma infinidade de times, como Palmeiras, Náutico e Portuguesa, e também chegou à seleção brasileira. Esse Mirandinha entrou para a história por ser o primeiro jogador brasileiro contratado por um clube inglês. O terceiro e último dos Mirandinhas era um esperto goleador, batizado como Isaílton Ferreira da Silva, que se notabilizou com a camisa do Corinthians na década de 1990.

               E existiu o clã dos Palhinhas. Como esquecer de Vanderlei Eustáquio de Oliveira? O popular Palhinha, do Cruzeiro e do Corinthians, foi um legítimo carrasco de goleiros, e suas proezas marcaram época no futebol brasileiro. Alguns anos depois, entraria em cena Jorge Ferreira da Silva. Assim como o seu xará e antecessor, o segundo Palhinha foi campeão da taça Libertadores da América com o Cruzeiro, coincidência que faz do nome Palhinha sinônimo de glórias nos corredores da Toca da Raposa.

              O jogador de futebol é um artista cigano. Como andorinhas, são criaturas errantes, voando por diversos clubes e cenários.  No final do ano passado, desembarcou no estádio Centenário um atacante veterano de apelido Jajá. O curioso é que antes dele houve outro Jajá defendendo as cores do Caxias. Jair Xavier de Brito integrou o elenco que ergueu a taça de campeão gaúcho, em 2000. Com suas jogadas intuitivas e gols mirabolantes, o Jajá original se tornou uma espécie de santo para a torcida. Na decisão do primeiro turno daquele certame, foi dele o gol da vitória contra o Grêmio. Após receber um cruzamento do seu fiel escudeiro Adão, Jajá desviou o couro com picardia, iludindo Danrlei e cimentando o triunfo grená em pleno estádio Olímpico.  

              Dezesseis anos depois, o torcedor observa, estarrecido, o recém-chegado Jajá empilhando gols na divisão de acesso do Gauchão. A última vítima do atacante foi o Esportivo. Em uma noite de temperatura polar no estádio Centenário, Jajá aproveitou um vacilo da zaga adversária para fazer o único gol da partida, assegurando ao Caxias a vitória no sempre importante “clássico da polenta”. Ao lado de nomes como Lacerda, Fidélis, Clebinho e Anderson Feijão, Jajá é parte de um conjunto que vem se mostrando coeso, fazendo o torcedor do Caxias sonhar com dias melhores.

              É verdade que só houve um Pelé, um Maradona, um Garrincha, astros que repousam  impávidos no panteão dos gênios da pelota. Entretanto, também é verdadeira a história do fenomenal clã dos Jajás, zelando pela dignidade da jaqueta grená em árduas batalhas nos gramados frios e enlameados do Rio Grande do Sul. 



Comentários postados


Nenhum comentário postado ainda, seja o primeiro!


Deixe o seu comentário








PUBLICIDADE PUBLICIDADE

Memórias do esporte

Lúcio Humberto Saretta, autor dos livros "Alicate Contra Diamante", "Crônicas Douradas" e "Lições da Barbearia", resgata os monstros sagrados do futebol, do boxe e do basquete de um jeito diferente, contrastando o ser humano e o ídolo, o mito e a realidade, jogando novas luzes em um tesouro adormecido e pronto para ser explorado, ou seja, as memórias do esporte e seus curiosos protagonistas. Neste espaço, o leitor também vai encontrar a opinião do cronista sobre o atual cenário esportivo, seus detalhes, polêmicas e novidades.