21/12/2016 - 10h40min

ALA DAS BAIANAS - Um pouco de história

Todo mundo se emociona e rende homenagens à Ala da Baianas de uma escola de samba.

O que poucos sabem é como essa parte fundamental dos desfiles carnvalescos surgiu e sua importância histórica.

 

Fique atento. Leia e compartilhe!

ala de baianas é considerada como uma das mais importantes de uma escola de samba. Composta, preferencialmente, por senhoras vestidas com roupas que remetem às antigas tias baianas dos primeiros grupos de samba do início do século XX, no Rio de Janeiro. Foi introduzida no desfile ainda nos anos 1930 como uma forma de homenagem às "tias" do samba, que abrigavam sambistas em suas casas, na época em que o ritmo era marginalizado. É uma ala obrigatória em todos os desfiles de escolas de samba, mesmo não sendo quesito oficial em nenhum deles.

As fantasias das baianas contam pontos para o Quesito Fantasia o modo como desfilam conta pontos para o Quesito Evolução, porém toda escola deve se apresentar com um número mínimo de baianas. Nos anos 1940 a 50, era comum que homens desfilassem vestidos de baianas, prática que passou a ser proibida no Rio de Janeiro nos anos 1990, mas foi liberada pela Associação das Escolas de Samba da Cidade do Rio de Janeiro (AESCRJ), nos grupos de acesso, a partir do ano de 2006.

A roupa clássica das baianas compõe-se de torso, bata, pano da costa e saia rodada. Entretanto, frequentemente podemos ver baianas com as mais inusitadas fantasias, tais como noivas, estátuas da liberdade, seres espaciais, globo terrestre (foto) ou poços de petróleo. No carnaval 2010, chegou a ser aprovado em plenária da AESCRJ que a ala das baianas viraria quesito para as escolas de samba dos grupos de acesso, pertencentes àquela liga, no entanto a ideia foi desfeita posteriormente.

 

***O que é o Pano da Costa? ***

O PANO-DA-COSTA é de uso exclusivo da mulher nos cultos africanos, porque uma das principais funções do mesmo é proteger os órgãos reprodutores das mulheres, das Yamis.
Listrado, liso, estampado ou bordado em richelieu ou renda, é por meio dele que a mulher demonstra sua posição hierárquica na organização sócio-religiosa dos terreiros.
Em Salvador/BA, mais precisamente no Terreiro Ilê Axé Opô Afonjá, a tecelagem tradicional do pano-da-costa está ligada ao uso e ao simbolismo sócio-religioso do tecido na composição das roupas rituais do candomblé.
**Fontes: Wickpedia - Google Images

 

 

PANO DA COSTA

BAIANAS DA CAPRICHOSOS DE PILARES

O COLORIDO DAS NOVAS BAIANAS

BAIANAS DA BEIJA FLOR



Comentários postados


Nenhum comentário postado ainda, seja o primeiro!


Deixe o seu comentário








PUBLICIDADE PUBLICIDADE

Alalaô


Rodrigo Ricieri é formado como Guia de Turismo Nacional e América do sul, ministra cursos de etiqueta e comportamento, Relações Públicas e é carnavalesco por pura paixão. Amante das cores e da folia da mais popular festa do país, conhece agremiações da região Sudeste e de Porto Alegre, tendo participado de várias ações no segmento.
Busca através da maior festa do Brasil, identificar e qualificar a informação cultural por trás das personalidades icônicas do samba.
Monarquista e apaixonado pela criatividade do brasileiro, sabe a importância turística, econômica e cultural da festa.
Aqui no "Blog do Alalao", todas as expressões juntas e ritmadas, numa cadência de informações bem ao estilo do carnaval.
Sempre um tema que não tem fim. Criatividade e informação para que gosta de festa, folia e muita cor.
O blog do Alalaô, já está a postos e nosso bloco já está na rua!